Quem sou eu

Minha foto
Sou uma professora de Língua Portuguesa apaixonada pela profissão, que me realizo todos os dias nas minhas salas de aula, na troca de experiências com meus alunos. ENSINAR PRA MIM É VIVER UMA GRANDE PAIXÃO!

terça-feira, 10 de novembro de 2009

TRABALHO DE LITERATURA - O ALIENISTA

EEPL Picuí, ____/10/09 Série/Turma: 2º ___ Professor: Jeanne
Aluno: _____________________________________n°__ Atividade de Português
O ALIENISTA:
Texto referente às questões de 1 a 8.
As crônicas da vila de Itaguaí dizem que em tempos remotos vivera ali um certo médico, o Dr. Simão Bacamarte, filho da nobreza da terra e o maior dos médicos do Brasil, de Portugal e das Espanhas. Estudara em Coimbra e Pádua. Aos trinta e quatro anos regressou ao Brasil, não podendo el-rei alcançar dele que ficasse em Coimbra, regendo a universidade, ou em Lisboa, expedindo os negócios da monarquia.
— A ciência, disse ele a Sua Majestade, é o meu emprego único; Itaguaí é o meu universo.
Dito isto, meteu-se em Itaguaí, e entregou-se de corpo e alma ao estudo da ciência, alternando as curas com as leituras, e demonstrando os teoremas com cataplasmas. Aos quarenta anos casou com D. Evarista da Costa e Mascarenhas, senhora de vinte e cinco anos, viúva de um juiz-de-fora, e não bonita nem simpática.
Um dos tios dele, caçador de pacas perante o Eterno, e não menos franco, admirou-se de semelhante escolha e disse-lho. Simão Bacamarte explicou-lhe que D. Evarista reunia condições fisiológicas e atômicas de primeira ordem, digeria com facilidade, dormia regularmente, tinha bom pulso, e excelente vista; estava assim apta para dar-lhe filhos robustos, sãos e inteligentes. Se além dessas prendas, - únicas dignas da preocupação de um sábio, D. Evarista era mal composta de feições, longe de lastimá-lo, agradecia-o a Deus, porquanto não corria o risco de preterir os interesses da ciência na contemplação exclusiva, miúda e vulgar da consorte.
D. Evarista mentiu às esperanças do Dr. Bacamarte, não lhe deu filhos robustos nem mofinos. A índole natural da ciência é a longanimidade; o nosso médico esperou três anos, depois quatro, depois cinco. Ao cabo desse tempo fez um estudo profundo da matéria, releu todos os escritores árabes e outros, que trouxera para Itaguaí, enviou consultas às universidades italianas e alemãs, e acabou por aconselhar à mulher um regímen alimentício especial. A ilustre dama, nutrida exclusivamente com a bela carne de porco de Itaguaí, não atendeu às admoestações do esposo; e à sua resistência, - explicável, mas inqualificável, - devemos a total extinção da dinastia dos Bacamartes.
Mas a ciência tem o inefável dom de curar todas as mágoas; o nosso médico mergulhou inteiramente no estudo e na prática da medicina. Foi então que um dos recantos desta lhe chamou especialmente a atenção, - o recanto psíquico, o exame da patologia cerebral. Não havia na colônia, e ainda no reino, uma só autoridade em semelhante matéria, mal explorada, ou quase inexplorada. Simão Bacamarte compreendeu que a ciência lusitana, e particularmente a brasileira, podia cobrir-se de "louros imarcescíveis", - expressão usada por ele mesmo, mas em um arroubo de intimidade doméstica; exteriormente era modesto, segundo convém aos sabedores.
Machado de Assis. O alienista. São Paulo: Ática, 1982.

1)O alienista, publicado entre outubro de 1881 e março de 1882, é considerado um dos mais importantes contos de Machado de Assis. A partir da trajetória de Simão Bacamarte, protagonista da estória, Machado constrói um painel da sociedade brasileira de seu tempo, com seus valores, problemas e impasses. Tomando por base o fragmento selecionado, assinale a opção que melhor exprime a intenção do autor:
a)Valorização da ciência como caminho preferencial para a superação do atraso intelectual do país.
b)Ironia em relação aos critérios utilizados por Simão Bacamarte na escolha de D. Evarista como sua esposa e genitora de seus filhos.
c)Apoio aos postulados do pensamento positivista e da ideologia do progresso defendidos por Simão Bacamarte.
d)Crítica aos hábitos culturais da vila de Itaguaí, em especial à alimentação, fator que contribuía para a dificuldade de D. Evarista em engravidar.
e)Exaltação do papel do médico como referência de desenvolvimento de uma sociedade.

2)Escreva C ou E, conforme as declarações sobre o texto sejam certas ou erradas.
( ) A prática científica implica esforço intelectual e troca de informações.
( ) A dedicação aos estudos e à pesquisa garante a ascensão social dos pobres.
( ) As crônicas de Itaguaí combinam registros históricos com os exageros da memória coletiva.

3)Em relação ao foco narrativo, podemos afirmar que:
a)a narrativa é constantemente interrompida pelos comentários de Simão, o que faz dele o narrador da estória.
b)alternam-se no trecho narradores de primeira e terceira pessoas, prática comum na ficção realista.
c)o narrador é de primeira pessoa, onisciente.
d)o narrador constrói a sua narrativa a partir da leitura dos cronistas de Itaguaí, problematizando a noção de origem e a veracidade dos fatos narrados.

4)No conto O Alienista, o narrador:
a) recria um episódio histórico de Itaguaí com base em relatos.
b) faz crer que a ética profissional impede a prática de fraudes.
c) supõe que as teorias estejam de acordo com os fatos reais.
d) defende as construções retóricas e a eloqüência em voga.
e) sustenta a opinião de que a ciência é eterna e estática.

5)Simão Bacamarte classifica de forma radical os pacientes segundo as categorias:
a) alegria / tristeza
b) verdade / mentira
c) sanidade / loucura
d) prazer / sofrimento
e) bondade / maldade

6)O texto nos permite afirmar que:
a)Evarista recusava-se sistematicamente a submeter-se aos tratamentos de fertilidade propostos pelo marido.
b)Evarista não se empenhava no projeto de ter filhos, pois temia que o marido passasse a dedicar somente ao filho o pouco tempo livre de que dispunha.
c)Evarista negou-se a fazer uma dieta alimentícia especial, à base de carne de porco.
d)a devoção ao trabalho ajudou Bacamarte a esquecer um projeto frustrado em sua vida.

7)O texto nos permite afirmar de Simão Bacamarte que:
a)mudou-se para Itaguaí por tratar-se de um lugar no Brasil onde ainda não havia nenhuma autoridade na área da patologia cerebral.
b)casou-se com Evarista aos quarenta anos, embora a achasse miúda e vulgar, pois via a sua falta de atrativos como um aspecto positivo.
c)passou a dedicar-se especificamente ao estudo das doenças mentais somente alguns anos depois de seu regresso a Itaguaí.
d)era dado a arroubos e explosões de temperamento no cenário doméstico, embora se mostrasse diferente em sua vida pública.

8)As expressões abaixo estão dicionarizadas como acepções possíveis para preterir. Qual delas melhor poderia substituir o verbo no contexto em que é empregado no texto?
a) ultrapassar
b) omitir
c) deixar de parte
d) ir além de
e) ser ilegalmente promovido

9)Numere os parênteses de 1 a 5, sequenciando cronologicamente as ações do conto.
( ) Inquietação popular e revolta dos canjicas.
( ) Casamento com Evarista e desejo de filhos.
( ) Retorno ao Brasil e decisão pela psiquiatria.
( ) Consulta a amigos e decisão de autoconfinamento.
( ) Inauguração da Casa Verde e primeiros confinamentos.
10)Leia o texto abaixo.
A notícia dessa aleivosia do ilustre Bacamarte lançou o terror à alma da população. Ninguém queria acabar de crer que, sem motivo, sem inimizade, o alienista trancasse na Casa Verde uma senhora perfeitamente ajuizada, que não tinha outro crime senão o de interceder por um infeliz.
Assis, Machado de. Obra completa. Rio de Janeiro:
Nova Aguilar, 1986. V. 2. P. 263
Fundamentando-se no texto acima, escreva V, para verdadeiro, e F para falso.
( ) Louco é quem for declarado louco por uma autoridade médica.
( ) A sabedoria e a ciência são remédios contra a insanidade mental.
( ) O alienado é um indivíduo que perdeu a consciência de si e da realidade.
11) Faça a sua avaliação crítica do livro (máximo de 10 linhas)

5 comentários:

  1. Tarsila Maria Fernandes Oragui

    2°C n° 33
    1-e
    2-c,e,c
    3-d
    4-a
    5-c
    6-d
    7-c
    8-a
    9-5,2,1,3,4
    10- o livro apresenta uma linguagem bem acessível a leigos literários como eu.O cronograma da história sempre se integra com os fatos ocorridos sem causar assim a perda do telespectador na narrativa.
    De modo geral a história me foi atrativa,até porque a insanidade me atrai e principalemnte aquela que contradiz aas outras faculdades mentais. O fim do livro que não em foi intereessante, parece mais que foi feito as pressas, sem muita minunciosidade e isso foi mais que um abismo de desprazer para o fechamento daquela história que por hora tanto me cativou.

    ResponderExcluir
  2. Tarsila Maria Fernandes Oragui n° 33 2°C
    Errada (b) 1-e
    Certas 2-c,e,c
    Certa 3-d
    Certa 4-a
    Certa 5-c
    Certa 6-d
    Certa 7-c
    Errada (c) 8-a
    9- Errada (4) 5, Certa 2, Certa 1, Errada (5) 3, Errada (3) 4
    10 ?????
    Certa 11 - o livro apresenta uma linguagem bem acessível a leigos literários como eu.O cronograma da história sempre se integra com os fatos ocorridos sem causar assim a perda do telespectador??? na narrativa.
    De modo geral a história me foi atrativa,até porque a insanidade me atrai e principalmente aquela que contradiz as outras faculdades mentais. O fim do livro que não foi interessante. Parece mais que foi feito às pressas, sem muita minuciosidade e isso foi mais que um abismo de desprazer para o fechamento daquela história que por hora tanto me cativou.

    Correção realizada por Jeanne
    Em: 19/11/2009
    NOTA: 10 X 0,4 + 2,6 = 6,6

    ResponderExcluir
  3. Valeu Jeanne, adorei o blog. Parabéns. Já coloquei em meus favoritos e não vou dormir sem dá uma espiadinha. Sou seu seguidor.

    Robson Rubenilson...

    ResponderExcluir
  4. Algumas respostas do gabarito me parecem equivocadas.

    ResponderExcluir
  5. PROFESSORA JEANNE SERÁ QUE A SENHORA PODERIA ME DIZER QUAL É A RESPOSTA CERTA, DAS PERGUNTAS ABAIXO :

    1- A melhor justificativa para o título da obra “O Alienista” encontra
    a) O principal personagem da obra era especialista em doenças mentais.
    b) Vários personagens da obra padecem de problemas psicológicos.
    c) O livro apresenta uma crítica à auto-suficiência dos cientistas.
    d) Apenas o personagem Simão Bacamarte não era considerado louco em Itaguaí.
    e) O personagem central implantou uma espécie de ditadura científica

    2- No primeiro capítulo , diz o narrador que “A ideia de meter os loucos na mesma casa, vivendo em comum,pareceu em si mesma sintoma de demência e não faltou quem o insinuasse à própria mulher do médico”. O
    final da obra, por sua vez, acaba confirmando a demência de Simão Bacamarte, que se considerou louco
    porque:
    a-( )teve a infeliz idéia de trancar os doentes mentais em um hospício.
    b-( )possuía perfeito equilíbrio das faculdades mentais.
    c-( )escolhera como esposa uma mulher estéril.
    d-( ) tinha alguns traços de desequilíbrio, assim como a maioria.
    e-( ) possuía traços de acentuado desequilíbrio mental.

    MUITO OBRIGADA!

    ResponderExcluir